Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011

PARA TI PAI

 

 

Nunca como este ano senti tanto a tua falta desde que te foste.

Parece que as lágrimas se juntam no meu coração e teimam em não sair. Uma saudade louca de ouvir a tua voz, de te sentir os passos na escada, de te ouvir ressonar no sofá a seguir ao almoço num Domingo.

 

Ainda me recordo da forma como abrias a porta de casa. Nunca esquecerei os teus passos de manhã em casa, os teus ataques de tosse. Tenho tantas, tantas saudades... É já o terceiro ano em que não estamos juntos no Natal. Será que até agora apenas tentei não sentir, fingir que não aconteceu? Agora acho que nunca vou deixar de sentir a tua falta Pai.

 

A mãe mudou tanto desde que nos deixaste. Será que foi sempre assim e eras tu que a fazias diferente? Ou será que eram um só, vocês os dois, e deixaste para trás uma parte que desconhecíamos ? Não reconheço a pessoa que ficou.  Fazes-nos tanta falta! Tenho saudades de nós. A nossa familia desmoronou-se  sem ti. Estamos um para cada lado. Tentando levar a vida e maçar o menos possível o outro. Tenho medo de falar de mim à mãe, porque tenho medo das atitudes dela. Tenho medo que ela aborreça o meu irmão com desabafos meus. E tenho medo falar de mim ao meu irmão pois sei que ele tem a vida dele e não tem que se preocupar comigo. Antes parecia tudo tão mais fácil contigo cá. Eu sabia que, apesar de já ser adulta, podia chegar aos meus pais e dizer o que me preocupava, as minhas coisas. Podia levar na tola, podias até zangar-te e xingar-me e foder-me o juízo até ao infinito. E eu ia levar contigo durante décadas. Mas....estavas lá. E agora não está la ninguém para mim. É a vida não é Pai? É a isto que se chama crescer, ficar velha. Agora é a minha vez de estar aqui para os meus filhos.

 

Já fiz tanta merda desde que te foste! Tentei encontrar alguém que me fizesse sentir segura como tu fazias. E...encontrei um oportunista.  Cada um enfrenta os desgostos como os sente. Magoei muita gente e agora desfazer a merda que fiz vai demorar tempo. Ainda bem que me alertaste a tempo. Sei que foste tu!

 

Mas mesmo assim...senti que estiveste lá para mim, e continuas a estar. Sinto, neste momento da minha vida,  uma força enorme para levar a vida para a frente, não por mim, mas pelos teus netos. Sabes, é como se uma cegueira me tivesse atingindo e eu só visse o objectivo final que é a vida deles. Dar-lhes uma vida como tu me deste. É esse o meu objectivo. E sinto-te por trás desta força que me vem. É isso que me fará feliz.

 

Sinto a tua falta. Sinto falta de me sentir, como direi, cercada do carinho da minha família, de tudo o que nós éramos. Sinto falta das tuas bocas para me atormentares, sinto falta dos complôs que fazíamos para atormentar a mãe com as nossas parvoíces, sinto falta das tuas brincadeiras com os teus netos. De como atormentavas a Carolina.

 

Sinto a tua falta física Pai. Mas sinto - te ao meu lado a dar-me força.

 

Obrigada Pai.

 

Por tudo o que fizeste que eu fosse. Pelo teu carinho nunca demonstrado,  mas sempre sentido, pelo teu esforço para nos dar a vida que nos deste, pelos princípios que nos transmitiste.

 

Estás no meu coração, na minha memória. Comigo.

sinto-me: http://youtu.be/YoEHOy60Pb4
publicado por sofianalua às 12:11

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

ACABOU

Quando o vi chegar, olhos vermelhos, triste, vi que tudo tinha acabado.

Não fui capaz de chorar. Senti as lágrimas presas no peito, vi tudo andar à roda e  fiquei com falta de ar.

 

Mas sabes pai, horas antes eu tinha tido um pressentimento de que algo mudara na minha vida. Para sempre.

 

Não me sai da cabeça o teu rosto no caixão. O ultimo beijo que te dei. Só nessas alturas sei que já não existes de certeza.

 

Não te vi descer à terra. Chorava demais nessa altura.

 

Ainda não acredito que te foste, há quase 1 mês.

 

Sinto a tua presença, por vezes junto de mim. Sinto que estás presente, como se, de facto me visses.

 

Entendo, agora as tuas atitudes de quereres tratar de assuntos triviais do dia - a -dia. Tu sempre soubeste que te estavas a ir. Mas pensáste que se fizesses a vida continuar, ela iria continuar mesmo. Era uma forma de forçar a vida a continuar.

 

É tão dificil de continuar a vida sbendo que um dia tudo acaba. Sabendo que apenas temos que esperar  que o  tempo passe. E quando todo o nosso tempo tiver passado....acabou. Tudo acaba!

publicado por sofianalua às 12:41

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

SAUDADE


Quero focar a minha atenção noutras coisas que não em ti mas só penso em ti. És presença assídua nos meus pensamentos dia e noite. Mesmo quando me divirto com cenas estúpidas que são, ao fim e ao cabo, o sal da vida de toda a gente. A tão aclamada felicidade, feita de pequenos momentos aqui e ali que nos fazem rir e sorrir.
Mas agora só me apetece chorar. E choro sem lágrimas. ficam retidas no meu peito e não saem. Por não saírem, transformam-se num mar, e sinto raiva! Tanta raiva...nem sei contra quê, contra quem. Ninguém tem culpa. É a vida e só temos que aceitar. Entre nós nunca houve manifestações de carinho, e, no entanto eu sei que tu sabes que eu te amo. Sempre amei.Mesmo quando me deixaste para ires para a guerra, mesmo quando me ralhaste, me bateste, me gritaste, eu sempre soube que tudo isso era por amor.

Embora nunca te tenha dito que foste sempre muito importante para mim, eu sei que tu sabes e não preciso de te dizer. Tu nem saberias o que responder.
 

Ontem disse-te que gostava muito de ti. Tu disseste que sabias.

 

Tudo isto me faz pensar; afinal porque acordamos e levamos a vida no meio  de coisas tão tão importantes para nós ? Porque é tão importante ter dinheiro, casa, educação? Porque tudo isto nos ajuda passar o tempo até ao dia em que , finalmente chega o nosso eterno descanso. É por isso.

 

Não receio esse dia. Muita vezes ansiei por ele por preguiça de viver, por achar tudo isto uma perca de tempo, uma seca interminável. Não entendo porque toda a gente tem medo do inevitável.Afinal parece que a vida é apenas e só um longo caminho para morte. O que se passa no meio, apenas ajuda a passar  o tempo. E dependedo de como o vivemos, pode ser mais ou menos penoso.

 

Sabes pai, eu sei que vais ficar bem. As minhas lágrimas, a minha dôr, é porque sei que tu sempre gostaste de viver.E são também as lágrimas do meu egoismo, porque choro e me doi já a tua ausência. Tenho saudades de todos os momentos que passei contigo desde que me conheço como gente. De todas as vezes que brincámos, de todas as vezes que nos zangámos, de todas as dificuldades que me ajudaste a ultrapassar. Tenho saudades.

 

O brilho dos teus olhos já não é o mesmo. Pareces adivinhar o inevitável. Mas admiiro a tua determinação em não te deixares vencer pela doença. A maneira como negas a sua existência. A tua teimosia sempre pesente. A mesma que te levou à desgraça.

publicado por sofianalua às 08:26

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

PAI

Senti a tua falta durante tanto tempo...

Durante toda a minha vida houve apenas um breve periodo em que me senti amada por ti. Mas eu sabia que me amavas apesar do teu ar distante, dos teus modos rudes. Sempre soube. Apenas não sabias como demonstrar. Sempre a resmungar estiveste lá quando precisei.

Sabes, sempre te quis fazer feliz. Sempre quis ser a menina que sonhaste que eu fosse. Tive pena quando te desiludi. Quando tive a certeza que estavas  feliz com a minha vida, fui a mulher mais feliz do mundo.

 

Parece que Deus quis que me visses feliz antes de te querer para ele.


Sabes pai, eu nunca te disse, assim com todas as palavras, mas amo-te muito. Muito muito..

 

Não quero acreditar que está a chegar a tua hora. Ainda há tanto que eu queria que visses. Queria que os meus filhos te fizessem feliz como eu não fui capaz. Queria que brincasses com eles. Queria que brincasses com o Simão como já brincaste com a Carolina. Queria que o levasses ao futebol, queria que ele corresse para ti de braços abertos como a a carolina já fez. Queria que o meu irmão te desse os netos que tu sonhaste. Queria que te sentisses orgulhoso da vida dele. Aquele bébé que tu mais amaste na vida, queria ele te desse netos e que também ele te desse a felicidade e o orgulho que eu nunca consegui.

 

Não quero acreditar que atua teimosia te vai levar de nós.

Não posso crer que aquelas férias na praia foram as nossas ultimas.

Não posso acreditar.

Ainda há tanto para tu viveres connosco, para nós  vivermos contigo pai, não pode acabar assim. Assim é uma estupidez.

 

É uma injustiça.

publicado por sofianalua às 09:22

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Março de 2005

ENCONTRO

Aquele momento ficou para sempre marcado em mim.

Ainda te sinto quando oiço aquela musica. Lembras-te? Não... sei que não. Mas sinto, cada vez que oiço, o perfume que usavas na altura, os sons... sinto os sons que nos envolveram aos dois naquele momento magico em que soube que teria que  ser tua.

Sabia, como sei hoje que seria efemero o nosso pertencer, mas que seria bom, e que ficaria para sempre nas nossas memórias, aquele tempo, aquele calor, aquela paixão. Nunca como naquela altura soube tão bem o singificado deste termo. Paixão. Porque foi tão forte e tão depressa passou. Mas recordo ainda com saudade, o teu rosto, lindo, TU.

E doi, saber que mesmo que ambos queiramos, esse momento não voltará nunca mais. Porque não é para ser.Não é para ser!  Mas a saudade....é a saudade das sensações boas, da liberdade do que foi o nosso encontro, da doçura que foi. Da beleza. A saudade de ti. Tão livre, tão solto, tão puro como só tu sabes ser.

Por vezes penso que por seres tão belo, por viveres no teu mundo tão só teu, nem eu, nem o resto de toda a gente te aceita. Porque não sabemos ser como tu, nem aceitamos que possa existir alguém que queira mudar o mundo, quem sabe, para a felicidade.

Recordo como fui tua, como foste meu, como fomos efemeramente felizes. Sabendo sempre, que a vida nos separava pelas diferenças que naquele encontro nos uniram de forma tão UNICA.

 

 

publicado por sofianalua às 00:37

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Maio de 2004

PALAVRAS

Hoje mais uma vez perdi-me nos teus olhos, afoguei-me neles sem remédio.


Hoje mais uma vez senti que entre nós ficaram coisas por dizer.Senti as palavras  vaguearem entre nós sem nos atingirem.


Senti o que tinha para te dizer  empurrar não sei o quê  na minha garganta  sem conseguir  sair e ir ao teu encontro.


Não sei o que sentiste, mas vi-te englolir em seco  e senti o que tu sentiste vir ao meu encontro. Algo sem nome, mas intenso. Vi-te estender os braços para  mim, senti que me querias tocar. Uma vontade quase imperativa. Não me abraçaste. Não me tocaste. Mas eu senti.


E ali ficaram as palavras no meio de nós. Vi-as rodopiarem, formarem um remoinho de emoções não confessadas, girarem sobre si mesmas e perderem-se no vazio antes de voltarem para nós.


O travão que pões no teu coração trava o meu.


Mete-me medo porque não sei se é real o que eu penso que tu sentes, se são coisas da minha cabeça. Tenho medo que sejam reais, tenho medo que  não sejam. Se são porque as travas? Se não são, porque sinto eu que são? O que é isso que tens para me dizer e não dizes? Porque afogas as palavras dentro de ti? Se libertasses o teu discurso, só um bocadinho, eu libertava o meu. Também sei que, se eu expulsasse de mim tudo o que tenho  para te dizer, tu falavas. Mas tenho medo do teu falar. Tenho medo  que me magoes.


Assim cada vez que nos vemos, ficam coisas por dizer. Um mundo de palavras soltas no meio de nós. Sem sentido. Querendo  fazer-nos sentir sem o conseguir.


E sinto que elas nos puxam um para o outro.Devem ser elas aquela força que nos atrai um ao  outro, e que nos faz dar voltas e mudar de posição e olhar para o lado com fingida indiferença, não querendo mostrar que ambos nos perturbamos.


São elas, as palavras.


Elas querem libertar-se libertando-nos. Por isso fazem-nos sentir assim, presos no magnetismo um do outro.


Enquanto não falarmos vai ser assim.As palavras ficam dentro de nós e pesam-nos no coração.  Estrangulam-no. Apertam-no. Ensopam-no em sentimentos febris e desenfreados que não conseguimos soltar.


É isso também aquele mau estar  no estomago quando te vejo. Indigestão de palavras.


Não se deve deixar nada por dizer.

publicado por sofianalua às 16:00

link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PARA TI PAI

. ACABOU

. SAUDADE

. PAI

. ENCONTRO

. PALAVRAS

.arquivos

. Dezembro 2011

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Março 2005

. Maio 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds